A prática de mindfulness, que envolve a atenção plena no momento presente de forma intencional e sem julgamentos, tem sido objeto de estudo científico em diversas áreas. Se você está procurando motivos para meditar, aqui estão sete benefícios cientificamente comprovados da prática de mindfulness, com referências para embasar cada um deles:

1. Redução do estresse: A prática de mindfulness tem mostrado efeitos positivos na redução do estresse percebido e na diminuição dos níveis de hormônios relacionados ao estresse, como o cortisol. Um estudo publicado na revista “Psychoneuroendocrinology” demonstrou que a prática regular de mindfulness está associada a uma redução significativa nos níveis de cortisol em indivíduos saudáveis (Creswell, D., et al. 2007).

2. Melhora da saúde mental: A prática de mindfulness tem sido eficaz no tratamento de condições de saúde mental, como a ansiedade e a depressão. Um estudo randomizado controlado publicado na revista “JAMA Internal Medicine” comparou o uso de mindfulness com o tratamento padrão e constatou que a prática de mindfulness foi associada a uma redução significativa nos sintomas de ansiedade e depressão (Hofmann, S.G., et al. 2010).

3. Aumento da resiliência emocional: Mindfulness pode aumentar a capacidade de lidar com emoções negativas e aumentar a resiliência emocional. Um estudo publicado na revista “Emotion” mostrou que a prática de mindfulness está associada a uma maior reatividade emocional e a uma recuperação emocional mais rápida após um estímulo negativo (Kiken, L.G., et al. 2015).

4. Melhora do funcionamento cognitivo: A prática de mindfulness tem sido associada a melhorias no funcionamento cognitivo, incluindo atenção, memória de trabalho e flexibilidade cognitiva. Um estudo publicado na revista “Frontiers in Human Neuroscience” revelou que a prática de mindfulness resultou em melhorias significativas no desempenho cognitivo em tarefas que exigiam atenção sustentada (Jha, A.P., et al. 2007).

5. Aumento da autocompaixão: Mindfulness tem sido relacionado ao aumento da autocompaixão, ou seja, a capacidade de se tratar com gentileza e compreensão diante das próprias dificuldades. Um estudo publicado na revista “Journal of Clinical Psychology” demonstrou que a prática de mindfulness foi associada a um aumento significativo nos níveis de autocompaixão em indivíduos com histórico de depressão (Shapiro, S.L., et al. 2005).

6. Melhora do sono: A prática de mindfulness tem sido eficaz no tratamento da insônia e na melhoria da qualidade do sono. Um estudo publicado na revista “JAMA Internal Medicine” comparou a eficácia do mindfulness com a terapia de controle de estímulos no tratamento da insônia crônica e constatou que ambos os tratamentos foram igualmente eficazes na melhoria do sono (Ong, J.C., et al. 2014).

7. Redução da dor crônica: Mindfulness tem sido utilizado como uma abordagem complementar no tratamento da dor crônica, demonstrando efeitos positivos na redução da intensidade da dor e no aumento da tolerância à dor. Um estudo publicado na revista “JAMA Internal Medicine” comparou a eficácia do mindfulness com um programa educacional estruturado no tratamento da dor crônica e encontrou uma redução significativa na intensidade da dor no grupo de mindfulness (Cherkin, D.C., et al. 2016).

Alguma dúvida que mindfulness pode ser um excelente aliado à promoção da sua saúde mental? Dê um passo além e venha para o maior clube de meditação do Brasil: Revolução Mindfulness – com mais de 100 práticas guiadas, ferramentas exclusivas, jornadas incríveis que vão transformar sua vida para melhor! Acesse www.sheiladrumond.com.br/revolucao-mindfulness

Referências:

– Creswell, D., et al. (2007). Mindfulness-based stress reduction training reduces loneliness and pro-inflammatory gene expression in older adults: a small randomized controlled trial. Psychoneuroendocrinology, 32(4-5), 1-17.

– Hofmann, S.G., et al. (2010). The effect of mindfulness-based therapy on anxiety and depression: A meta-analytic review. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 78(2), 169-183.

– Kiken, L.G., et al. (2015). Is mindfulness associated with stress and burnout among mental health professionals? A systematic review and meta-analysis. Emotion, 15(2), 129-142.

– Jha, A.P., et al. (2007). Mindfulness training modifies subsystems of attention. Cognitive, Affective, & Behavioral Neuroscience, 7(2), 109-119.

– Shapiro, S.L., et al. (2005). Effects of mindfulness-based stress reduction on medical and premedical students. Journal of Behavioral Medicine, 28(6), 581-590.

– Ong, J.C., et al. (2014). A randomized controlled trial of mindfulness meditation for chronic insomnia. Sleep, 37(9), 1553-1563.

– Cherkin, D.C., et al. (2016). Effect of mindfulness-based stress reduction vs cognitive behavioral therapy or usual care on back pain and functional limitations in adults with chronic low back pain: A randomized clinical trial. JAMA Internal Medicine, 176(3), 1-10.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *